Idosos e animais, duas realidades, duas formas de vida diferentes mas que afinal não são mais do que Mundos Cruzados.

Alma e Sentimento...um retorno à eterna inocência!

segunda-feira, 6 de junho de 2011

Fim oficial do projecto "Mundos Cruzados"!

Chegámos ao momento que pensávamos estar muito longe. Àquele momento que ninguém queria pensar nem falar. O fim oficial do projecto Mundos Cruzados chegou com o final do ano lectivo que se revelou num dos mais intensos na vida do nosso grupo.
Hoje voltámos à Cruzada e visitámos pela última vez, pelo menos deste mês, os nossos amigos que já fazem parte das nossas vidas. Um grupo composto pela Daniela, Diana e Emanuel visitou a D. Auzenda. Outro grupo composto pela Joana, Ana e Diogo visitou a D. Lurdes.
Ambos os grupos sentiram um enorme aperto por pensar que era chegado o fim. É complicado ver algo que já faz parte das nossas vidas à 7 meses acabar. É frustrante não termos tempo, neste época tão frenética de exames e candidaturas à faculdade. Olhámos para os olhos dos nossos amigos e é difícil dizer adeus por isso preferimos dizer até já.
Hoje falámos de tudo um pouco. Política, actualidades, telenovelas e do percurso que havíamos feito para chegarmos ao fim de um projecto tão ambicioso que nunca teve grandes apoios.
Mas ao menos chegámos ao fim com os corações quentes e repletos de bons momentos passados na companhia dos nossos idosos e também enquanto grupo que acabou, de uma forma ou de outra, por fortalecer a nossa amizade e ajudou-nos a conhecer-nos melhor e saber daquilo que somos capazes de fazer para ajudar o próximo.
Chegada a hora de partirmos para casa, avisámos os membros da cruzada que este mês já não voltaríamos. A D. Maria Rosa agradeceu-nos com um sentimento verdadeiro de obrigado. Foi algo que nunca esqueceremos. Disse-nos para voltarmos e nós aceitámos o desafio.
Obrigado a todos aqueles que tornaram o projecto possível, D. Antonieta, D. Auzenda, D. Elvira, D. Lurdes, D. Odete, D. Maria do Céu, Sr. Vitorino, D. Maria, D.Maria Rosa, Dr. Emília e tantos outros que nos ajudaram e nos acolheram na Cruzada como membros dessa família tão digna.
Mas também não nos esqueçamos do nosso grupo, Daniela, Diana, Diogo, Emanuel, Ana e Joana e a todos os membros não oficiais, Joana e Tânia, por tornarem este projecto em algo que marcou as nossas vidas!
Obrigado...

sexta-feira, 3 de junho de 2011

Visitas aos nossos amigos...

Estamos perto do fim, mas com vontade de continuar. Dia 31 de Maio, teve lugar na Cruzada Bem Fazer da Paz mais uma das nossas tardes de voluntariado.
Como já todos sabem fomos divididos em pequenos grupos. O primeiro composto pelo Emanuel e pela Diana teve como destino a casa da D. Auzenda. Como já tínhamos referido esta utente encontra-se um pouco mal e por isso achamos que pelo menos um grupo deveria lá ir uma vez por semana para ver como as coisas se desenvolvem.
O grupo constatou que a D. Auzenda pouco ou nada melhorou. Encontrava-se na cama e mesmo na tentativa de a fazer sair desta ela recusava. Como é habitual a D. Auzenda adora falar sobre política e principalmente dizer mal do nosso ex- primeiro ministro. Acaba sempre por desviar a conversa para Salazar, dizendo que ele havia de voltar e pôr ordem nisto tudo. São sempre umas tardes muito divertidas.
Outro grupo, composto pelo Diogo e pela Joana, tinha como destino a casa da D. Lurdes e da D. Odete, mas curiosamente nenhuma delas os pôde receber deixando-os sem saber aonde ir. Voltaram para a Cruzada e foram novamente a casa da D. Antonieta que sempre com um enorme sorriso nos lábios nos recebe de braços abertos quer esteja bem quer esteja doente.
Viram a telenovela, que a utente tanto anseia por cada episódio, falaram da sua história, fizeram um visita pela casa e passaram uma tarde muito agradável.
Por último o outro grupo, composto pela Daniela e pela Ana, ficou a fazer companhia à D. Elvira que por azar se encontrava com muito sono e pediu que não a incomodassem porque queria dormir. Foi mais uma tarde memorável com os nossos amigos da Cruzada!

quarta-feira, 1 de junho de 2011

Perto da recta final...

Dia 27 de Maio, o grupo Mundos Cruzados teve mais uma tarde de voluntariado na Cruzada.
Desta vez um grupo foi a uma utente, enquanto que outro grupo ajudou nos preparativos para a festa da flor que se iria realizar no dia seguinte.
O grupo que visitou uma utente, composto pela Daniela e pela Diana, teve como destino a casa da D. Auzenda.
Esta utente tem sido fonte de grandes preocupações devido ao seu estado debilitado de saúde que tem vindo a piorar, como tal o grupo deslocou-se lá para ver como as coisas estavam.
A utente encontrava-se bastante debilitada, até pediu ajuda para ir ao quarto de banho. Têm sido uns últimos tempos complicados para a D. Auzenda, por isso tentámos melhorar um pouco a situação fazendo-lhe um pouco de companhia e tentando ajudar naquilo que podíamos.
Entretanto o grupo na Cruzada, composto pelo Diogo e pela Joana, ajudava nas decorações para a festa, colocando flores em tudo quanto era sítio, montando enormes arranjos florais e conferindo ao espaço frio e branco, luz e muita cor à mistura.
O outro grupo regressou da D.Auzenda e juntou-se ao restante grupo. Era hora de voltar para casa.

quarta-feira, 25 de maio de 2011

Olhando para trás...

Éramos jovens, inexperientes e sem qualquer conhecimento de causa. No seio do grupo nasceu a vontade ambiciosa de criar um projecto diferente e marcante. Animais. Idosos. Vontade e empenho não nos faltava mas havia algo que nos deixou durante algum tempo parados. O nome do nosso projecto. A grande questão pairava no ar, até que no meio do nada surgiu a hipótese de Mundos Cruzados.
Adoptámos logo como ponto de partida para o nosso projecto e tivemos a certeza que nenhum outro nome seria tão perfeito como este.
Aventurámos-nos no desconhecido e partimos em busca de alguém que nos abrisse a porta e nos deixasse entrar. A cruzada bem fazer da paz não hesitou. Mesmo sem nos conhecer deixou que fizéssemos parte do seu mundo e colocou-nos em pé de igualdade com todos os outros colaboradores não impondo qualquer restrição.
Desde Outubro até agora (Maio), passaram cerca de 7 meses. Nem demos conta e o que é mais engraçado é que parece que ainda foi ontem. Muitas experiências, muitas realidades, muitas tarefas, muitos desafios que não podemos negar. Foram ultrapassados por todos nós. Não nos arrependemos das tardes livres em que lá estivemos, chuva ou sol, a visitar os nossos amigos e trazer para casa as suas histórias boas e menos boas. Olhámos para trás e vemos um rasto de bons momentos que sem dúvida irão para sempre marcar as nossas vidas! Mas também olhámos para a frente e vemos um enorme caminho por percorrer e desbravar.
Não podíamos sentir-nos mais realizados do que já estamos. Conseguimos mudar um pouco a realidade destes idosos esquecidos pela sociedade e ainda conseguimos levar o nome da cruzada e do nosso projecto à Universidade Católica onde toda a gente pôde ficar a conhecê-lo.
Neste momento as aulas estão no "sprint" final e com isto aproxima-se também o fim do nosso projecto! Sim,  é complicado ver acabar algo que desde há muito tempo fazia parte da nossa rotina. É tirar algo que já faz parte das nossas vidas.
Mas há algo que acaba sempre por prevalecer. O sentimento de que pelo menos fizemos tudo o que podíamos e que aqueles com quem acabámos por partilhar as nossas vidas nunca, mas nunca nos irão esquecer!
Ainda não terminámos a nossa cruzada,  ainda existem mais dias de voluntariado que hão-de vir nas próximas duas semanas e que continuaremos a partilhar com todos estas experiências cada vez mais enriquecedoras!

sexta-feira, 20 de maio de 2011

Mais uma "cruzada"...

Estamos perto do fim da nossa "cruzada" mas parece que ainda foi à pouco tempo que a começamos. Éramos tímidos, inexperientes mas era sem dúvida a nossa vontade de fazer algo que prevalecia.
Dia 20 de Maio, mais uma tarde de voluntariado. Como é habitual dividimos-nos em grupos, mas como não estávamos todos presentes, acabaram por ir duas pessoas sozinhas a casas de utentes diferentes e lá fomos nós. Um grupo composto pelo Diogo e pela Daniela teve primeiramente como destino a casa da D. Lurdes mas a utente não se encontrava em casa. Por isso juntaram-se à Diana que tinha como destino a casa da D. Antonieta.
A D. Antonieta já nos tinha habituado à sua boa disposição e simpatia, ouvindo histórias e partilhando saberes. A pedido da utente tentámos ajudá-la a navegar um pouco pelo mundo imenso que é a Internet pelo que se mostrou muito entusiasmada.
Um outro membro, o Emanuel, teve como destino a casa da D. Auzenda que o recebeu de braços abertos e onde acabaram por passar a tarde a conversar sobre assuntos relacionados com o Estado Novo e Salazar, tema sobre o qual a utente adora conversar e reviver um pouco.
Ao voltarmos todos para a sede, tivemos a companhia da D. Elvira. Não podia ter sido um final de tarde melhor, recheado de alegria e gargalhadas à mistura.

segunda-feira, 16 de maio de 2011

12º J no... centro de reabilitação animal!

No dia 13 de Maio, o grupo Mundos Cruzados organizou uma pequena visita ao Centro de Reabilitação Animal em Vila Nova de Gaia para a turma toda.
Saímos da escola por volta das dez menos dez e dirigimos-nos com toda a turma, inclusive o Professor Fernando Oliveira, até ao centro de reabilitação a pé, demorando cerca de dez minutos sensivelmente.
Depois de lá chegarmos a turma teve de se dividir em dois grupos, visto que assim poderíamos ouvir todos os pormenores que a veterinária nos tinha para contar.
O percurso do primeiro grupo foi igual ao do segundo. Começamos por saber algumas informações mais técnicas acerca do centro e logo de seguida partimos para a visita aos animais. O centro, como sempre, estava em perfeitas condições, quer de higiene quer de conforto para os animais que se notava estarem bastante contentes por nos terem lá.
Tanta diversidade de raças que não nos permitiam estar com o olhar fixo em nenhum especial, até claro chegarmos à parte daqueles que fazem as delícias de todos nós. Os cachorrinhos. Tão pequeninos e brincalhões conseguiram pôr toda a turma à volta deles e só se ouvia "Tão queridos... quero levar um para casa..!". Está era a frase que dominava naquela altura. Realmente ninguém consegue ficar indiferente!
Depois de vermos todos os animais, fomos para o local onde se prepara a comida e onde se faz a limpeza dos animais, como a tosquia e banho.
Vimos as diferentes comidas para os animais, desde os júniores até aos mais graúdos.No final era hora de voltarmos para a sala que o horário disponível começava a apertar.
Viemos embora e estávamos sempre a olhar para trás, para aqueles animais que nos davam vontade de os trazer connosco.
O tema de conversa foi semelhante durante o percurso. Os tão badalados cachorrinhos que certamente não se irão esquecer de um grupo enorme de jovens à volta deles.
Mais um marco importante para o projecto Mundos Cruzados, que passa pela parte mais importante. O contacto com a realidade dos animais abandonados.

segunda-feira, 9 de maio de 2011

Uma tarde mais calma!

Dia 9 de Maio. Mais uma tarde de voluntariado na Cruzada Bem Fazer da Paz. Dividimos-nos, como sempre, em grupos e partimos para a casa dos nossos amigos.
Um grupo, composto pela Diana e pelo Emanuel teve uma tentativa falhada na casa da D. Lurdes, visto que quando lá chegaram não obtiveram qualquer resposta. Posto isto, resolveram juntar-se ao outro grupo, composto pela Daniela e pela Ana que estavam na casa da D. Odete.
Chegaram lá, entraram e passaram algum tempo com a utente, uma vez que passado cerca de 40 minutos a D. Odete disse que estava com vontade de descansar os elementos do grupo que estavam com ela regressaram à sede da Cruzada.
Entretanto outro grupo, composto pelo Diogo e pela Joana, esteve durante algum tempo da tarde a passear ao ar livre com a D. Elvira de modo a estimulá-la a sair, tendo ainda conseguido visitar a D. Auzenda que ficou muito contente não só ao ver-nos como também ao ver a D. Elvira.
Mais tarde o grupo juntou-se todo na Cruzada com uma série de utentes na sala, onde conversamos sobre temas actuais, divertimos-nos com a D. Elvira e assim conseguimos passar uma tarde um pouco diferente, ajudando e sendo ao mesmo tempo ajudados!

sexta-feira, 6 de maio de 2011

Mundos Cruzados vão... à Católica!

Na passada quinta-feira, dia 5 de Maio, o grupo Mundos Cruzados levou o seu projecto à Universidade Católica no Porto, no âmbito da iniciativa que reunia vários projectos de várias escolas.
Depois de uma atribulada viagem até à Universidade, montámos a nossa "banca" e começamos a tentar fazer "publicidade" ao nosso projecto. Ficamos surpreendidos pela diversidade de projectos existentes, que nos faziam ficar confusos sem saber para onde olhar e que nos acabou por deixar orgulhosos pela quantidade de boas ideias e iniciativas que os jovens do nosso país têm.
Apesar do que estávamos à espera o nosso projecto teve bastante gente interessada em conhecê-lo, pelo que nos deixou bastante contentes em estarmos a conseguir passar a mensagem. No fim do dia, chegou a hora de sabermos os resultados do concurso. O resultado deixou todos um pouco desiludidos mas ao menos temos a consciência de que podemos ser ouvidos e que estamos a fazer um bom trabalho dentro dos meios que temos.
O balanço que fazemos deste dia é que apesar de não termos ganho, a partilha foi enorme e o interesse revelou-se extraordinário. Vários grupos, vários projectos, várias escolas mas com um só objectivo. Tornar melhor algo e marcar a diferença. Foi sem dúvida um dia memorável quer para o projecto quer para todos nós!



Recomeçar!

No dia 2 de Maio, o grupo Mundos Cruzados reuniu-se na Cruzada para mais uma tarde dedicada aos nossos amigos.
Voltámos a visitar a casa dos nossos utentes, tarefa que já não fazíamos há algum tempo devido a determinadas actividades que temos estado a realizar. 
Mais uma vez dividimos-nos em três grupos: um grupo, composto pela Joana e pelo Emanuel visitou uma cara nova para todos nós, pelo que resultou numa tarde de conversa bastante animada onde foi possível conhecer um pouco esta senhora e também onde foi possível dar a conhecer um pouco do nosso trabalho. Outro grupo, composto pela Diana, que visitou a nossa tão conhecida D. Antonieta que apesar de estar um pouco doente, recebeu-a de braços abertos e com uma alegria enorme visto que já não a visitávamos há algum tempo. O terceiro grupo, composto pelo Diogo e pela Daniela, visitou a D. Lurdes, que nos disse ter ficado triste por não a termos ido visitar mais, mas depois de explicarmos o que tínhamos estado a fazer ela compreendeu e passamos, como já é habitual, uma tarde lúdica com várias explicações sobre o antigo trabalho desta utente.
Podemos considerar que esse dia foi um recomeço, depois de algumas semanas atarefados com os preparativos para a Páscoa, daquilo que nos levou até à Cruzada, visitar e fazer companhia àqueles que já foram os jovens da nossa sociedade.

sexta-feira, 29 de abril de 2011

Nova etapa...

No dia 28 de Abril, o grupo Mundos Cruzados voltou à sua tarefa de Páscoa de distribuir as amêndoas pelos utentes da Cruzada, tentando levá-las aos utentes que não as receberam a tempo.
Chegámos à Cruzada, pegámos no cesto e pussémo-nos a caminho. Dois elementos do grupo, o Emanuel e a Ana, além de levarem as amêndoas à D. Auzenda, disponibilizaram-se a passar algum tempo com ela visto que esta se encontrava numa altura um pouco difícil e precisava de um pouco de paciência e atenção. O resto do grupo andou pelas ruas passando pela D. Maria do Céu, D. Ana Celeste, D.Ilda e D. Odete, das quais recebemos um sorriso verdadeiro e contagiante, acompanhado de algumas palavras de apreço pelo trabalho que estamos a desenvolver. Mais do que um simples trabalho de escola e das avaliações por parte da mesma, este trabalho é realmente avaliado pelos utentes que até agora, e para o nosso agrado, o têm classificado como bom e principalmente cada vez mais de louvar numa sociedade fria e virada para ela mesma.
Ainda nessa tarde passamos mais um momento de qualidade com a nossa utente mais divertida, a D. Elvira, que nos encantou com a sua capacidade surpreendente de falar em francês mesmo sendo portadora da doença de Alzheimer.
Não conseguimos entregar as amêndoas a todos os utentes, mas para a próxima esta tarefa estará concluída e poderemos voltar a visitar os nossos idosos.

terça-feira, 19 de abril de 2011

Quebrar o esquecimento!

Hoje, dia 19 de Abril, o grupo Mundos Cruzados teve como tarefa distribuir pelos utentes os bonecos, com o respectivo recheio, simbolizando uma pequena lembrança da Páscoa, bem como um pequeno "miminho". Apesar da chuva conseguimos distribuir vários e percorremos o Bairro das Pedras, o Bairro de Quebrantões e a zona perto da Avenida, levando um pouco de alegria àquelas casas tão apagadas e perdidas no meio da solidão.
Cada vez que batíamos à porta, os nossos idosos apareciam com uma cara de desconfiados, no bom sentido claro, perguntando-se o que faziam cinco jovens com um cesto no meio da rua a chover.
Quando dizíamos que vínhamos da cruzada e que tínhamos um pequeno carinho para eles, ficavam entusiasmados e com um sorriso de bocheca a bocheca. A nossa recompensa era essa. Houve quem nos agradecesse por nos termos lembrado deles, houve quem chorasse por ter sido acarinhado e houve quem nos dissesse "obrigado por tudo".
Que mais podemos pedir para o nosso trabalho. Não somos só nós que ajudamos estes idosos. Eles ensinam-nos que a velhice é triste quando é esquecida, mas que é a melhor altura das nossas vidas quando é valorizada. Assim podemos dizer que nos integramos numa família muito especial. A família do "bem fazer da paz"!

sexta-feira, 8 de abril de 2011

Em trabalho...

O nosso grupo, nos passados dias 6 e 7 de Abril, passou a tarde na sede da Cruzada a trabalhar nos preparativos para a festa da Páscoa que se avizinha.
No dia 6, dois dos membros do grupo passaram a tarde com a D. Auzenda, enquanto que o resto do grupo passou a tarde na Cruzada a fazer os moldes dos bonecos que vão levar as amêndoas e a recortá-los em seguida.
Esta distribuição permitiu que não deixássemos de visitar os nossos utentes, conseguindo assim também adiantar algum trabalho relativo à festa.
O grupo que visitou a D. Auzenda, o Emanuel e a Ana, passou mais uma tarde divertida e animada, ouvindo as histórias que a D. Auzenda tinha para contar, tanto da actualidade como de antigamente.
O resto do grupo trabalhou quase sem parar tentado assim acabar os 60 bonecos que tinham de ser feitos.
No dia seguinte, todo o grupo trabalhou na sede para tentar terminar os bonecos necessários, uma vez que não foi possível visitar um utente.
Nessa tarde, entre as 2.30 h e as 17 h, conseguimos acabar os moldes, recortá-los, montá-los e colocar os respectivos laços para dar como terminada a tarefa.
Nesse período de tempo ainda foi possível fazer companhia à D. Elvira e ajudar a D. Rosa nas pequenas tarefas que iam surgindo.
Ficou combinado que no dia 19 de Abril iríamos voltar à Cruzada para enchermos os bonecos com as amêndoas e posteriormente distribuí-las pelos utentes.

segunda-feira, 28 de março de 2011

Momentos...

As tardes de voluntariado têm-se tornado cada vez mais intensas. Dia 28 de Março não foi excepção! Tal como é habitual, dividimo-nos em dois grupos.
O primeiro, composto pelo Emanuel e pela Diana que tiveram como destino visitar a D. Auzenda. Após termos sabido que esta tinha caído achamos que era necessário ir fazer uma pequena visita tentando saber se já se encontrava melhor e se necessitava de alguma coisa. Os dois elementos partiram então até à casa da utente e, quando lá chegaram, sentaram-se e passaram uma bela tarde.
Como era de esperar, falaram sobre o que tinha acontecido à D. Auzenda, ouviram-na e tentaram alertá-la para ter mais cuidado e atenção para não sofrer mais quedas. Mas a conversa não se resumiu apenas a esse tema. Falaram do passado, como já é habitual, das peripécias que aconteciam no dia-a-dia da D. Auzenda e sobretudo tentaram convencê-la a deslocar-se mais vezes à sede da Cruzada, podendo assim passar uma tarde mais alegre, conversando com os outros utentes.
Passado algum tempo, era hora de voltar à cruzada. É sempre difícil despedirmo-nos daqueles que nos abrem as suas portas e com os quais somos mais do que meros voluntários. É difícil ter de dizer que só voltaremos daqui a uma semana e que até lá têm de se aguentar muitas das vezes, contado apenas com uma pequena visita diária das funcionárias da cruzada.
Outro grupo, composto pelo Diogo, Daniela e Joana, deslocou-se mais uma vez até à casa da D. Lurdes, uma senhora que nos despertou um certo interesse desde a primeira vez que a vimos.
Lá fomos nós, pelas ruas de Quebrantões até à casa pretendida. Pedimos para entrar e sentámo-nos à conversa na sua pequena sala, uma conversa que nos iria deixar completamente rendidos a esta senhora.
Falamos de como tinha passado a semana e explicámos-lhe algumas informações relativas ao Lar Santa Isabel. Ouvimos o desabafo de tristezas e de mágoas que carrega todos os dias e que estão sempre à flor da pele. Ouvimos atentos e imóveis aquelas histórias com as quais não conseguimos ficar indiferentes. Partilhou connosco tanta coisa que parece que já a conhecíamos há imenso tempo. Foi algo fantástico e que nos deixou simplesmente emocionados. A hora de sair foi muito complicada. Dissemos que voltávamos na próxima semana e a D. Lurdes não conseguiu aguentar as emoções. Ficou triste por irmos embora mas prometemos voltar, trazendo algumas novidades que irão fazê-la sentir-se feliz por momentos preciosos.

quarta-feira, 23 de março de 2011

Desafios!

A tarde de voluntariado do dia 21de Fevereiro marcará para sempre o nosso grupo. Depois de termos sido, como o habitual, distribuídos em mini-grupos percorremos o nosso caminho até à casa dos utentes pretendidos.
Um grupo acabou por ser maior que o outro pois tiveram de se juntar a meio visto não terem obtido resposta do seu utente. Esse grupo, composto pela Ana, Daniela, Diana e Emanuel acabou por ir visitar a D. Auzenda. Como sempre a D. Auzenda permite-nos passar tardes divertidas e animadas, contado histórias de antigamente que nos enchem de vontade de ouvir e de não sair de lá.
Depois de terem ouvido as histórias da utente, falando também com ela sobre notícias da actualidade que a fazem ficar bastante contente o grupo despediu-se e voltou para a sede da cruzada onde se juntou à D. Elvira à espera do restante grupo.
O outro grupo, composto pelo Diogo e pela Joana visitou pela primeira vez a D.Lurdes. Esta senhora que ao princípio nos espelhava felicidade e alegria de viver revelou-se algo inesperado quando entramos pela primeira vez em contacto com ela. Esta senhora vive sozinha na sua casa, tendo problemas de saúde que a impossibilitam de fazer algo que para nós é normal.
Pediu-nos que fôssemos com ela até ao rio e a partir daí apercebemo-nos de que na verdade a senhora não tinha qualquer sentido para a sua vida e sentia vontade de morrer por não ter um estímulo que a fizesse prosseguir.
Achamos que mesmo sendo uma tarefa difícil deveríamos tentar encontrar algo que a fizesse ter vontade de viver e de aproveitar aquilo que a vida tem de melhor.
Depois de termos aceite este "desafio" voltamos para a cruzada e conversamos com o restante grupo acerca do caso e achamos que pelo menos enquanto lá estivessemos iríamos tentar fazer esta senhora feliz!

quinta-feira, 17 de março de 2011

Por caminhos desconhecidos!

No dia 14 de Março, o grupo Mundos Cruzados enfrentou um desafio um pouco diferente daquele que costuma encontrar na cruzada. Depois de termos sido distribuídos em mini-grupos, ficamos a saber que todos iríamos visitar utentes novos e que todos residiam numa zona chamada Quebrantões.
Depois de nos dirigirmos para a zona que pretendíamos foi um verdadeiro labirinto, no meio de tantas ruas que para nós eram desconhecidas, encontrar as casas dos nossos novos amigos foi uma tarefa complicada.
O primeiro grupo, a Ana e o Emanuel, depois de uma tentativa na casa errada lá conseguiram encontrar a casa do seu utente. Os outros dois grupos, o Diogo e a Joana e a Daniela e a Diana, continuaram rua abaixo, rua acima a tentar decifrar o nome das ruas.
Quando davamos tudo como perdido, lá encontramos a casa da D. Lurdes, mas como esta não nos conhecia teve medo de nos deixar entrar e pediu que voltássemos noutra altura. Continuamos até encontrarmos a casa do Sr. Alexandre, mas mais uma vez a tentativa foi falhada pois a sua esposa disse que para já não precisava de nada mas agradeceu a nossa iniciativa.
A única solução que nos restou foi ir ter com o primeiro grupo, à casa do Sr. José. Quando chegamos, conversamos com a sua mulher e ficamos a saber do problema bastante complicado do seu marido e a sua dependência em relação a ela. No final de tudo esta visita serviu para conversarmos um pouco com esta senhora que devido a estar com o seu marido nesta situação, pouco convive ou sai, estando um pouco "presa" à sua própria casa.
Esta visita foi sem dúvida um desafio mas ao menos ficamos a conhecer uma das zonas onde possivelmente iremos trabalhar!

sábado, 12 de março de 2011

No sítio certo...à hora certa!

Dia 10 de Março. Mais uma tarde atarefada com os nossos amigos da cruzada. Deslocámo-nos, em mini-grupos às suas casas e passamos um tarde agradável, onde além de conversarmos também resolvemos alguns problemas que preocupavam uma utente bastante engraçada.
Um grupo, composto pela Daniela e pela Diana, foi visitar uma utente que estava a precisar de um pouco de companhia, pois com o falecimento da sua vizinha esta ficou ainda mais isolada. A D. Odete mal as viu entrar ficou contentíssima pois assim ela teria o problema resolvido. Aquilo que a preocupava e a fazia ficar tão aflita era o facto de o seu telefone não funcionar. Depois de várias tentativas a tentar resolver o problema com a PT, conseguimos contactar o filho e pedimos-lhe para ele carregar o telemóvel da mãe caso esta precisasse de alguma coisa durante a noite. Problema resolvido!
Outro grupo, composto pelo Diogo e pelo Emanuel, foi visitar a D. Auzenda. Esta utente está a deixar todos bastante preocupados pois não come e não se tem sentido muito bem. Tentamos conversar com ela e chamá-la à razão, mas depois de algum tempo na casa apercebemos-nos que ela queria descansar um pouco, devido a ter estado sem comer. Viemos embora com uma enorme preocupação interior mas mal chegámos à cruzada avisamos os responsáveis e eles disseram que iriam tomar providências. Juntámos-nos um pouco mais tarde com o primeiro grupo na casa da D. Odete. Mais um problema resolvido!
Outro membro do grupo, a Joana, que depois de algum tempo bem passado com a nossa já tão conhecida D. Elvira, juntou-se também a nós na casa da D. Odete.
Foi uma tarde em que podemos dizer que estávamos nos sítios certos às horas certas, e em que conseguimos ajudar aqueles que mais precisam, nem que seja por uns tempos.

quarta-feira, 2 de março de 2011

Contratempos...

Dia 28 de Fevereiro foi mais uma tarde importante de voluntariado. Como sempre fomos divididos em mini-grupos. Antes de iniciarmos o percurso até aos nossos utentes, ficamos a saber do falecimento de uma utente já nossa conhecida, a D. Rosa. Apesar de apenas termos visitado uma única vez esta senhora ficamos bastante abalados e tristes, mas sabemos que ao longo deste projecto isto pode acontecer em qualquer altura.
Um grupo,composto pelo Diogo e pela Joana, depois de duas tentativas falhadas com a D. Odete e com um casal que vive bastante sozinho, juntou-se à Daniela e passou a tarde com a D. Antonieta. A Ana, que depois de não conseguir realizar algumas actividades com a D. Elvira juntou-se ao grupo que passou a tarde com a D. Antonieta.
Outro grupo, composto pelo Emanuel e pela Diana, visitou a D. Auzenda e conversou sobre de tudo um pouco durante uma hora que pareceu passar num ápice. Foi uma tarde um pouco diferente e marcada por um acontecimento um pouco triste que acabou por afectar um pouco esta tarde de voluntariado.

sexta-feira, 25 de fevereiro de 2011

“Este mundo não é para velhos”

“Nas actuais sociedades ocidentais, os idosos perderam o estatuto social de prestígio que tinham e ainda mantêm em alguns países da Ásia e da África.

A frase foi escrita no século XVII pelo poeta irlandês Jonathan Swift, mas mantém-se actual: “Toda a gente desejaria viver muito tempo, mas ninguém quereria ser velho”. Nas sociedades ocidentais dos nossos dias é, precisamente, isto o que está a acontecer. Vive-se cada vez mais anos, mas privilegia-se a juventude e a individualidade. Como assinalam Rosa Maria Lopes Martins e Maria de Lurdes Martins Rodrigues, em Estereótipos sobre idosos: uma representação social gerontofóbica, “no mundo civilizado de hoje, a velhice é tida como uma doença incurável, como um declínio inevitável, que está votado ao fracasso”. Existe o preconceito de que “o envelhecimento torna as pessoas senis, inactivas, fracas e inúteis”. (...)
Em países, como Portugal, onde se assiste a um envelhecimento acentuado da população, estas são questões na ordem do dia e que requerem respostas urgentes: “Os idosos perderam um estatuto social dotado de certo prestígio”, diz Isabel Dias, do Departamento de Sociologia da Faculdade de Letras da Universidade do Porto, acrescentando: “Um país sem idosos não tem memória; um país sem crianças não tem futuro”.
(…)
No Japão – o país mais envelhecido do Mundo, de acordo com a ONU –, os idosos continuam a ser venerados. Desde 1947 que neste país é assinalado o “Dia de Respeito ao Idoso” (Keira no hi), na terceira segunda-feira de Setembro, tendo esta data sido considerada dia feriado em 1966.
Também na China, no dia 9 de Setembro realiza-se a festa Chong Yang, também conhecida como “festa dos idosos”, uma celebração que, segundo documentos históricos, começou há 2500 anos.
O mesmo se passa em África, principalmente no seio das sociedades primitivas. Aqui, “o respeito ao idoso está ligado com a visão cíclica da vida, e a velhice, diferentemente do que ocorre no mundo ocidental, é uma fase privilegiada e almejada por todos”, sublinha Cláudia Regina Bergamim, (…).”
   Fátima Mariano, in JN

Esta notícia do Jornal de Notícias reforça aquilo que a maioria das pessoas já sabe, na sociedade ocidental os idosos não são respeitados, são abandonados e excluídos porque são considerados algo inútil. No Japão, na China e em África, os idosos são vistos de outra forma, o seu valor é reconhecido e eles são uma parte importante da sociedade. Todavia a notícia referia também que a mentalidade ocidental em relação aos idosos vai acabar por, infelizmente, se expandir também para essas regiões. O ideal era que acontecesse o contrário e que em Portugal os idosos passassem a ser valorizados, porque “Um país sem idosos não tem memória (…)”.

quinta-feira, 24 de fevereiro de 2011

Novos Frutos!

Dia 21 de Fevereiro. Mais uma tarde dedicada aos nossos amigos. Uma tarde de voluntariado, na companhia de três utentes. Uma, a D. Auzenda, utente já nossa conhecida, foi visitada pelo grupo composto pelo Diogo e pela Diana. Mal chegámos à sua casa fomos recebidos com algo que nos fez ficar bastante felizes. A D. Auzenda disse-nos que de manhã, enquanto arrumava umas roupas, lembrou-se de nós e desejou que fôssemos lá à tarde fazer uma pequena visita para mais uma tarde de conversa. Foi algo bastante gratificante para nós, pois conseguimos perceber que o nosso trabalho começa a deixar marcas nos idosos que visitámos, quebrando assim o gelo inicial que tinham.
Outro grupo, composto pelo Emanuel e pela Joana, visitou um senhor, relativamente novo, que estava com bastantes problemas de saúde, o que se revelou uma das visitas mais difíceis do grupo. Além de ser um alcoólico em recuperação, de ter vários antecedentes complicados, o Sr.Jorge não quis falar nem pronunciar qualquer palavra acerca do que se passava com ele. Um outro membro do grupo, a Ana, teve como tarefa fazer companhia à D. Elvira, o que foi um pouco difícil visto que esta senhora estava um pouco ensonada e com pouca vontade para fazer algumas actividades que tínhamos pensado realizar.
Contudo, foi mais uma tarde importante para o desenvolvimento do nosso projecto, na medida em que, serviu como "prova" de que o nosso trabalho começa a dar frutos e que os nosso novos amigos sentem que aquilo que fazemos não é assim tão mau e inútil quanto isso!

quarta-feira, 16 de fevereiro de 2011

Ama e respeita aquele que sempre te amou…

Esta curta-metragem é incrível e transmite uma mensagem fortíssima. Ocupamos apenas cinco minutos do nosso tempo a vê-la e acreditem vale a pena. Mostra-nos que aqueles que agora são idosos um dia nos amaram, estiveram ao nosso lado e tiveram muita paciência enquanto crescíamos. Agora que nós somos os adultos não temos paciência para com eles. Agora eles precisam de nós, tal como nós precisamos deles em crianças. Temos de valorizar aqueles que um dia estiveram ao nosso lado, não pudemos abandoná-los, esquecê-los, pô-los de parte, gritar com eles ou ficar zangados, porque quando éramos mais novos eles não fizeram isso connosco.
Mas como uma imagem vale mais que mil palavras, mais do que terem em conta aquilo que dizemos vejam o vídeo, é realmente incrível e vai tocar-vos de alguma forma.


Lição sobre a verdadeira amizade



Este vídeo é pura e simplesmente tocante e comovente. Transmite uma forte mensagem sobre a verdadeira amizade, sobre o valor dos animais e a forma como eles nos podem surpreender. Este gato não abandonou o outro, não o deixou sozinho e fez de tudo para tentar que ele se levantasse.
Isto aconteceu na Turquia onde uma gata tentou, por mais de 2 horas, reanimar o outro gato, infelizmente o animal não sobreviveu e um veterinário acabou por recolher o animal sem vida. Esta situação reflecte toda a lealdade e todo o amor que um gato pode dar. Deixou-nos sem palavras...

Novas histórias...

No dia 14 Fevereiro, o grupo Mundos Cruzados realizou mais uma tarde de voluntariado. O primeiro grupo, composto pela Daniela e pelo Emanuel, visitou a casa da D. Maria do Céu. Esta utente vive sozinha numa pequena casa, contando com a visita regular das funcionárias da cruzada e da visita periódica da filha.
O grupo conversou durante cerca de uma hora sobre a vida cheia e repleta de experiências que a D. Maria do Céu tem, falando de episódios importantes como o nascimento da filha e do neto, de histórias engraçadas que alteram a monotonia do dia e do presente que contrasta com o passado que não volta mais.
O outro grupo, composto pelo Diogo, Diana e Ana, visitou mais uma vez a casa da D. Auzenda. Esta visita foi um pouco caricata pois quando chegámos à casa da utente deparámo-nos com o postigo aberto e sem qualquer resposta da D.Auzenda à nossa chamada. Depois de tentarmos por todos os meios saber o que se passava, ouvimos um voz trémula, era a D. Auzenda que não nos tinha ouvido pois estava a ouvir rádio.
Ficamos aliviados por não ser nada de grave e rimo-nos mais tarde com a utente sobre o que tinha acontecido. Além disso, a utente queixou-se da comida da cruzada dizendo que não estava muito apetecível e que apesar de saber que a comida, devido aos seus problemas, ter de ser assim lhe custava muito.
Passada a tarde regressamos à cruzada e partilhámos as histórias de mais uma tarde fantástica na companhia dos nossos novos amigos.

sábado, 12 de fevereiro de 2011

Notícias alarmantes

Nos últimos dias temos sido bombardeados com notícias muito alarmantes. Através dos jornais e das notícias transmitidas pela televisão chegam até nós os ecos de abandono e esquecimento a que os nossos idosos estão sujeitos.
A notícia do Correio da Manhã inicia-se desta forma: “O corpo de Augusta Duarte Martinho, que completava 96 anos no próximo dia 12, esteve nove anos no chão da cozinha do apartamento onde residia sozinha, na Rinchoa, Rio de Mouro, em Sintra.”
O Público relata que em Cantanhede um idoso esteve morto em casa durante 3 meses, até que os vizinhos alertaram as autoridades.  
Estas duas notícias têm invadido as nossas casas nos últimos dias, vêm relatadas em todos os jornais, passam em todos os canais televisivos e deixara-nos chocados. Como é que é possível passar tanto tempo e ninguém se preocupar com o desaparecimento destas pessoas? Pior como é que elas desapareceram e ninguém se apercebeu?
Estas situações mostram-nos a importância que é dada aos mais velhos no nosso país. Se em algumas culturas eles são vistos como pessoas sábias, com muito experiência e são alvo de um enorme respeito. Na nossa sociedade são pura e simplesmente esquecidos!
Esta realidade é muito triste e deixa-nos desolados. Duas pessoas morreram e ninguém sentiu a sua falta, ninguém foi à sua procura, eles morreram completamente sozinhos.
É uma situação desoladora e assustadora, que nós mostra que é necessário alterar a nossa mentalidade, começar a dar mais importância aos idosos do nosso país, porque se a situação continuar sem alterações, um dia seremos nós os idosos a ser encontrados completamente sozinhos e esquecidos.

Se quiserem ler as notícias do Correio da Manhã e do Público a que nos referimos, cliquem nos seguintes sites:


http://www.publico.pt/Sociedade/cantanhede-homem-estava-morto-em-casa-ha-tres-meses-nao-ha-suspeita-de-crime_1479983

sexta-feira, 11 de fevereiro de 2011

Balanço...

Apesar de colocarmos sempre que fazemos uma tarde de voluntariado, uma síntese sobre aquilo que fizemos, achamos que está na altura de fazer um balanço sobre como tem sido o nosso projecto de voluntariado na Cruzada Bem Fazer da Paz.
Entramos na vida daqueles jovens idosos, sem pedirmos, deixando de lado a vergonha ou qualquer outro sentimento negativo. Íamos decididos a fazer um marco na vida deles, tentando combater o isolamento em que vivem, tentando vencer a solidão com a ajuda deles na expectativa de que sairíamos vencedores na maior das facilidades.
Mas isso não aconteceu. A realidade é mais dura do que possamos pensar. Alguns desses idosos não querem ser ajudados, ou porque acham que não somos capazes ou porque acham que eles é que já não valem a pena.
Os progressos têm sido grandes apesar de termos começado há relativamente pouco tempo e tendo em conta que não temos qualquer experiência no ramo. A verdade é que há certos utentes aos quais nos começamos a afeiçoar, eles são tema de conversa na escola, no grupo, em casa e até com desconhecidos. Ouvimos histórias fantásticas, de saberes antigos, de experiências incríveis e de vidas que agora são postas completamente de parte da sociedade. Chegado o dia de voluntariado, o nosso maior desejo é que a manhã passe rápido, para chegar a tarde e irmos novamente para junto daqueles que estão a começar a abrir os seus corações.
Apesar de no início ter sido um pouco difícil, neste momento o trabalho tem sido bastante gratificante para todo o grupo, pois a partilha é intensa e as realidades com que temos contacto são bastante mais complexas do que pensávamos.
No entanto conseguimos concluir que mesmo não tendo experiência, o que conta é a disponibilidade e a forma como nos entregamos a este trabalho que por um lado nos consome mas que por outro nos dá em dobro a simpatia e o agradecimento de quem mais precisa.

quarta-feira, 9 de fevereiro de 2011

Mais uma tarde...

A tarde de voluntariado do dia 7 de Fevereiro levou-nos mais uma vez à casa da D. Antonieta e da D. Auzenda.
O grupo que teve como tarefa visitar a casa da D. Antonieta era composto pela Ana e pela Diana . Chegando à casa da D. Antonieta o grupo acomodou-se e teve uma longa de tarde de conversa, falando de histórias antigas e de antigamente, relembrando recordações e vivências de outrora. Ao longo da tarde o grupo acompanhou a utente no visionamento da novela "Alma Gémea".
O grupo que teve como objectivo visitar a casa da D. Auzenda era composto pela Daniela e pelo Diogo. Quando chegaram à casa da utente, esperaram um pouco que a senhora acabasse a limpeza da sua cozinha, coisa que para a D. Auzenda não podia esperar.
Acabada essa tarefa, sentaram-se no quarto e conversaram sobre o seu dia-a-dia. Falaram também de lembranças, focando o seu casamento e a sua infãncia.
A Joana ficou com a D. Elvira na sede da Cruzada, estimulando-a a fazer palavras cruzadas e a conversar sobre coisas que a fizessem estar ocupada e alegre.
Foi mais uma tarde de voluntariado, como sempre cheia de supresas e partilhas interessantes, cheia de boa disposição e alegria.

quinta-feira, 3 de fevereiro de 2011

Partilha cruzada...

Hoje, dia 3 de Fevereiro, o grupo Mundos Cruzados realizou mais uma tarde de voluntariado. Depois da divisão em grupos, foi destinado a cada um a casa do utente que iríamos visitar.
O grupo composto pela Daniela, Diana e Emanuel visitou mais uma vez a casa da D. Antonieta, já bastante conhecida pelo grupo. Foi mais uma tarde divertida e animada na sua companhia, onde não faltaram as gargalhadas e a boa disposição.
O outro grupo, composto pelo Diogo e pela Joana, visitou a casa de uma nova utente, chamada D. Rosa. Depois de algum tempo com esta senhora, também ela afectada pela doença de Alzheimer, o grupo notou que os olhos dela transmitiam uma solidão e tristeza interior tão grande que chegava a causar um certo aperto interior no grupo. Não queria falar, apenas pediu para que ficássemos ali à beira dela. Por fim este grupo juntou-se ao outro na casa da D. Antonieta para finalizar a tarde de voluntariado.
Hoje, principalmente para o grupo que visitou a casa da D. Rosa, foi sem dúvida uma experiência para ver até aonde o nosso "estofo" aguenta. Concluímos que nem sempre é tão simples como pensamos, pois acabamos sempre por receber os sentimentos que os nossos novos " amigos" carregam.

quinta-feira, 27 de janeiro de 2011

Uma mensagem de esperança...


Podíamos ter escolhido um música qualquer, sem significado algum. Mas o objectivo era transmitir uma mensagem que conseguisse chegar a todos, sem barreiras e dificuldades. Mesmo que não percebamos a música, cada um percebe, à sua maneira, a mensagem que ela pretende transmitir.
Esta é, sem dúvida, simplesmente forte e impossível de não arrepiar. Leva-nos ao extremo do nosso interior, fazemos uma viagem pelo desconhecido, pelo belo, pela suposta felicidade.
Não conseguimos deixar de a sentir, e dentro do nosso tema, pode ser que relembre algumas realidades que são muitas vezes esquecidas.

quarta-feira, 26 de janeiro de 2011

Novos marcos....

As visitas à Cruzada Bem Fazer da Paz têm sido sem dúvida cruciais para o desenvolvimento do nosso projecto. Mas não podemos deixar de frisar que para além deste contributo existe também uma componente pessoal bastante importante e que nós não a conseguimos por de parte.
No dia 24 de Janeiro, teve lugar mais uma visita inesquecível à Cruzada, onde mais uma vez fomos divididos em mini-grupos e direccionados para a casa de três utentes.
Um grupo, o Diogo e a Joana, teve como destino a casa da D. Auzenda, uma senhora bastante simpática e com um sentido de humor fora do normal. Adora plantas, limpezas, arranjar-se e mais que tudo, conversar. Outro grupo, a Daniela e a Ana, tiveram como tarefa visitar a D. Antonieta, uma senhora que adora ser acarinhada e que adora conversar. Tem pavor de ficar doente e um dos objectivos deste grupo será trazê-la para o exterior para a estimular a andar.
O outro grupo, a Diana e o Emanuel, tiveram como destino a casa da D. Maria, uma senhora considerada um pouco "difícil" pois devido à situação de solidão em que se encontra, o seu temperamento é um pouco complicado. Por motivos inesperados não foi possível realizar esta última visita, pelo que tentaram a visita ao senhor Vitorino, e mesmo depois de os ter recebido tiveram de vir embora para decorrer a limpeza da casa.
Os grupos voltaram à Cruzada, fizeram mais uma vez companhia à simpátiva D. Elvira e voltamos mais uma vez para casa.
Pode parecer que dizemos que todas as visitas são fantásticas e especiais, mas é a verdade. Cada vez que fazemos um visita aprendemos algo novo, algo diferente, algo que nos muda por dentro.

sexta-feira, 21 de janeiro de 2011

Melhor amigo do Homem…

Este vídeo fala-nos do cão, o melhor amigo do Homem. Através de algumas imagens marcantes e de frases simples mostra-nos a importância que um cão tem na vida do ser humano e todas as suas espantosas qualidades.



Após o visionamento do vídeo resta perguntar: Quem é que é capaz de abandonar um ser tão especial? Quem é que é capaz de trair o seu amigo mais fiel? Há alguém que consiga ser assim tão cobarde?

Pedido dos animais…

Este vídeo não está só relacionado com os animais de estimação, mas sim com os animais em geral.
Vale a pena prestar atenção às frases que acompanham as imagens e que significam muito.
No final do vídeo aparecem os direitos dos animais, desta vez todos os que fazem parte da Declaração Universal dos Direitos dos Animais.

Declaração Universal dos Direitos dos Animais

A Declaração Universal dos Direitos dos Animais foi apresentada pela UNESCO em 15 de Outubro de 1978. Eis alguns dos artigos que a compõem:

“Artigo 1º
Todos os animais nascem iguais perante a vida e têm os mesmos direitos à existência.

Artigo 2º
1. Todo o animal tem o direito a ser respeitado.
2. O homem, como espécie animal, não pode exterminar os outros animais ou explorá-los violando esse direito; tem o dever de pôr os seus conhecimentos ao serviço dos animais.
3. Todo o animal tem o direito à atenção, aos cuidados e à protecção do homem.

Artigo 3º
1. Nenhum animal será submetido nem a maus tratos nem a actos cruéis.

(...)

Artigo 6º
1. Todo o animal que o homem escolheu para seu companheiro tem direito a uma duração de vida conforme a sua longevidade natural.
2. O abandono de um animal é um acto cruel e degradante.”

(…)

Seleccionámos apenas os artigos relacionados com os animais de estimação, se quiseres consultar a declaração na íntegra podes procurar no Google ou clicar neste site: http://djalmavaz.files.wordpress.com/2010/05/declaraae280a1ac692o-universal-dos-direitos-dos-animais-unesco1.pdf

quarta-feira, 19 de janeiro de 2011

Ferida da Solidão...

A tarefa proposta pela Cruzada, no dia 17 de Janeiro, prendeu-se durante algum tempo pela remoção das decorações de Natal. Depois de termos estado a desempenhar esta tarefa, tivemos a oportunidade de ir fazer uma pequena visita a casa de duas senhoras consideradas um pouco "difíceis".
A um grupo calhou a visita à casa de uma senhora chamada D. Antonieta e a outro calhou a visita à casa da D. Maria.
O tempo de conversa que tivemos com ambas deu para perceber o porquê de serem consideradas "difíceis". Não pelo facto de serem antipáticas e indelicadas, mas sim pela sua situação actual, pelo facto de terem sido um pouco esquecidas pela família, de terem sido postas de parte, até pela sociedade.
Apesar de tudo, elas abriram-nos as suas portas, convidaram-nos a entrar e receberam-nos com simpatia e boa disposição.
Quando saímos das suas casas, sentimos um certa nostalgia e tristeza pelo facto de nos pedirem que sempre que pudessemos voltassemos lá, apenas para conversarmos um pouco, para ajudar a sarar a ferida da solidão.

sexta-feira, 14 de janeiro de 2011

Uma realidade...Várias realidades!

A última visita à cruzada,dia 13 de Janeiro, foi sem dúvida interessante e divertida. Quando chegamos à sede, divimos o grupo e partimos para a casa dos utentes da instituição. Um grupo composto pela Daniela, Ana Prado e Emanuel tiveram como tarefa visitar a D.Amélia, uma senhora bastante simpática e divertida. Além de algumas tarefas domésticas, o grupo conversou com a senhora, principalmente acerca do seus gatos gémeos, um tema que encantava a D.Amélia. O outro grupo composto pelo Diogo e pela Joana teve como destino a casa da D. Maria do Céu, uma senhora também bastante simpática que gostava de conversar.
Neste grupo, não houve tarefas domésticas, apenas conversamos e tentamos perceber a sua situação. Depois de muito tempo de conversa, voltamos à instituição e mais uma vez a D.Elvira fez-nos companhia e nós a ela.
A visita de 13 de Janeiro serviu como uma pequena amostra sobre as diversas e múltiplas realidades que o grupo vai conhecer ao longo do desenvolvimento do nosso projecto.

quarta-feira, 12 de janeiro de 2011

Sociedade Protectora dos Animais

Hoje o nosso grupo viveu mais uma aventura inesquecível. O nosso destino foi a Sociedade Protectora dos Animais no Porto, onde visitamos os animais abandonados acolhidos por esta associação. Ficamos completamente chocados com o elevado número de animais que a SPA acolhe, tem dezenas de animais, cerca de 800 cães e gatos vivem nesta instituição. É um número tão elevado que nos deixou surpreendidos, já esperávamos um número elevado mas nunca nos passou pela cabeça que pudessem ser tantos animais.  A SPA localiza-se nas instalações do antigo Matadouro da Corujeira, uma situação provisória enquanto não são criadas novas instalações para receberem estes animais. Fomos recebidos pela encarregada da associação, uma senhora bastante simpática, que nos mostrou todos os animais e nos contou algumas histórias sobre situações que aconteceram entre ela e os animais da associação. Um dos cães da SPA fez a visita connosco, foi abandonado e quando foi acolhido pela SPA adoptou a nossa “guia” e agora segue-a por todo o lado, não a deixa sozinha nem por um segundo.
A reacção dos animais foi a mesma que observamos no Centro de Reabilitação Animal, todos eles nos receberam calorosamente, com vários latidos e caudas a abanar. Até os gatos, que são animais mais independentes, ronronaram e pediram a nossa atenção. Entramos numa das jaulas com cães mais pequeninos e fomos recebidos com uma enorme euforia, três cachorros adoráveis ficaram radiantes com a nossa presença, abanavam a cauda, davam lambidelas e saltavam à nossa volta, como se dissessem: “Olá, levas-me contigo?”
Custou-nos imenso vir embora e deixar para trás aqueles seres adoráveis.
Nesta visita as emoções voltaram a falar mais alto, todos aqueles animais foram abandonados por alguém cruel que não soube dar-lhes aquilo que eles mereciam. Todos aqueles animais podiam ter uma casa e alguém com quem contar, no entanto, estão ali e apesar de poderem contar com todos os membros da associação, continuam a não ter uma casa e a atenção que merecem.
O ideal era que todos esses animais pudessem ter uma segunda oportunidade, uma nova casa, pelo que voltamos a reforçar o nosso apelo: adoptem um animal e ajudem as associações que tentam tornar a vida de um animal abandonado um pouco melhor.

sexta-feira, 7 de janeiro de 2011

Nem sempre o que parece é!

Dia 6 de Janeiro, tivemos mais uma tarde de voluntariado na Cruzada. Quando chegamos estivemos a conversar sobre a evolução e a dimensão que a Cruzada começa a ter com a criação de novos meios de divulgação que contribuem para mostrar e levar a toda a parte o trabalho que esta instituição desempenha. Depois de tratados alguns pormenores, surgiu a possibilidade de visitar e fazer companhia a uma senhora que se encontra sozinha e que nesta altura de festas de cariz familiar se sente revoltada devido a ficar isolada. Mas por causa de alguns contratempos não foi possível realizar a visita pelo que esperamos que seja possível noutra altura.
No entanto, não ficamos sem fazer nada durante o resto da tarde. A D. Elvira, mais uma vez, fez-nos companhia e nós a ela. Podemos dizer que foi uma tarde de surpresas e de revelações que serviram de lição para todos nós. Esta senhora, que hoje se encontra com alzheimer já foi professora de Matemática e ainda agora se recorda com grande felicidade e boa disposição dos anos em que dava aulas e partilhava conhecimentos. As surpresas não ficaram por aqui pois esta senhora adora fazer palavras cruzadas e foi-nos proposto ajudá-la. A verdade é que quem nos deu uma lição e nos ajudou foi a D. Elvira que sabia todas as respostas e sinónimos e que nos fez ficar a todos de boca aberta e com cara de espanto.
Sem dúvida foi uma tarde incrível onde a partilha de conhecimentos foi grande. Aquilo que nos deixa mais tristes é que quando saímos daquela porta, aquela senhora tão querida e tão amorosa vai deixar de nos conhecer e esquecer-se-a de nós. Sempre que acaba uma tarde de companhia com esta senhora, passamos a ser estranhos até ao dia seguinte.

A Velhice Pede Desculpas

Tão velho estou como árvore no inverno,
vulcão sufocado, pássaro sonolento.
Tão velho estou, de pálpebras baixas,
acostumado apenas ao som das músicas,
à forma das letras.

Fere-me a luz das lâmpadas, o grito frenético
dos provisórios dias do mundo:
Mas há um sol eterno, eterno e brando
e uma voz que não me canso, muito longe, de ouvir.

Desculpai-me esta face, que se fez resignada:
já não é a minha, mas a do tempo,
com seus muitos episódios.

Desculpai-me não ser bem eu:
mas um fantasma de tudo.
Recebereis em mim muitos mil anos, é certo,
com suas sombras, porém, suas intermináveis sombras.

Desculpai-me viver ainda:
que os destroços, mesmo os da maior glória,
são na verdade só destroços, destroços.

Cecília Meireles, in 'Poemas (1958)'

quarta-feira, 5 de janeiro de 2011

Oogy, o cão que só uma família poderia amar

Esta história emocionante conta-nos como a união e a afectividade, conseguem superar a dor. Oogy, é um cão que foi encontrado por uma família, com ferimentos graves no focinho e à beira da morte, devido a ter sido colocado numa luta de cães ilegal. Esta família, comovida com o aspecto e a história de vida deste animal decide adoptá-lo, de forma a dar-lhe todo o valor e respeito que este sempre mereceu.
O cão que só uma família poderia amar é um livro sobre o poder da redenção e o modo como os animais e as pessoas podem superar a maior das adversidades. E Oogy é um animal incrivelmente especial, cujo sentimento de segurança e a necessidade de ser amado prevaleceu apesar da sua provação. Este cão especial e a sua história entram nos nossos corações e ali permanecem durante muito tempo.
Este magnífico livro consegue demonstrar como a união atenua a dor do passado, juntando dois mundos, duas realidades!

sexta-feira, 31 de dezembro de 2010

Resultados.....2011

Os dois inquéritos que realizamos no nosso blog estão encerrados, responderam às perguntas 36 pessoas.
Quanto ao primeiro inquérito: Consideras os idosos, um fardo para a Sociedade?
ü  30 Pessoas responderam não
ü   6 Pessoas escolheram a opção depende
Ao segundo inquérito: Eras capaz de abandonar um animal?
ü  3 Pessoas responderam que sim
ü  33 Pessoas responderam não

De uma forma geral os resultados são positivos, apesar de 6 pessoas ainda acharem que os idosos às vezes, são um fardo para a sociedade. É necessário que as pessoas comecem a encarar os idosos como alguém que já viveu muito, que tem uma enorme experiência de vida e que agora que está mais debilitado não deixa de ser importante e que não pode ser considerado um fardo.
No caso dos animais apenas 3 pessoas seriam capazes de abandonar um animal, o ideal seria 0 pessoas, é importante que todos tenham consciência da crueldade que é abandonar um animal. É algo bárbaro e desumano!

2011, novo ano, nova vida, mudanças…
São muitos aqueles que no início de um novo ano alteram algo na sua vida, pequenas alterações que fazem a diferença. Este ano altera a tua maneira de pensar, não completamente apenas um pouco, deixa de ver os idosos como um fardo e os animais como uma coisa que podes deitar fora quando são incómodos.

Aproveitamos também para desejar a todos os visitantes e seguidores do nosso blog: um excelente 2011!

quarta-feira, 22 de dezembro de 2010

Natal...

O Natal está mesmo a chegar e são várias as emoções e os sentimentos característicos desta época. É tempo de dar e receber, de partilhar, de estar com aqueles que amamos, nestes dias o nosso coração está mais quente e alguns de nós até tentam ajudar os outros.
Deixa-te contagiar pelo espírito natalício, deixa que o calor do momento invada o teu coração e ajuda quem mais precisa. O nosso apelo dirige-se para os animais abandonados, para os animais que infelizmente vão passar o Natal sozinhos numa cela bem gelada de um canil ou de uma associação. Os responsáveis por essas instituições fazem aquilo que podem para dar conforto aos seus animais, mas as suas condições e recursos são escassos e eles não podem fazer milagres.
Está nas tuas mãos mudares a vida de um desses animais e podes utilizar esta época para isso. Podes adoptar um animal para ti ou podes oferece-lo, se por um conjunto de diferentes motivos não conseguires adoptar um animal, podes doar alguns géneros, como ração, cobertores, mantas (…), a associações mais necessitadas.
O importante é que tomes iniciativa e que faças algo para melhorar a vida dos animais que foram abandonados por outro ser que nem se quer deve de ser considerado humano.

segunda-feira, 20 de dezembro de 2010

O valor de um animal...

Os nossos animais de estimação são muito especiais e tratam-nos como se fossemos a pessoa mais importante à face da Terra, não querem saber de mais nada apenas daquilo que somos. Para nós quem maltrata e abandona um cão/gato é desumano e um cobarde. Foram vários os apelos que já aqui fizemos, várias as mensagens, opiniões e ideias que tentamos transmitir. Hoje, vamos voltar a insistir no mesmo, porque para nós, nunca é demais falar deste problema, mas em vez de sermos nós a dar a nossa opinião, escolhemos algumas frases de pessoas mais importantes e influentes que nós, mas que partilham a mesma opinião. Esperamos que alguma dessas frases signifique algo para ti, te leve a reflectir e a pensar na realidade vivida por centenas de animais no nosso país.

“Os animais, como o homem, demonstram sentir prazer, dor, felicidade e sofrimento.”
Charles Darwin

“O cão é a virtude que, impedida de tomar forma humana, fez-se animal.”
“Acredito que os cães podem falar, mas para não se envolverem nas mazelas humanas, preferem latir.”
Victor Hugo

 “Quanto mais conheço os homens, mais estimo os animais.”
Alexandre Herculano

“Chegará o dia em que o homem conhecerá o íntimo de um animal. E, nesse dia, todo o crime contra um animal será um crime contra a humanidade.”
Leonardo da Vinci

“Só quem teve um cão sabe o que é ser amado.”
Friedrich Nietzsche

“Ninguém se pode queixar da falta de um amigo, podendo ter um cão.”
Marquês de Maricá

“Maltratar animais é demonstrar cobardia e ignorância.”
Leon Tolstoi

“Entre a brutalidade para com o animal e a crueldade para com o homem, há uma só diferença:  a vítima.”
Lamartine

“Os animais dividem connosco o privilégio de terem uma alma.”
Pitágoras

"A compaixão pelos animais está intimamente ligada a bondade de carácter, e pode ser seguramente afirmado que quem é cruel com os animais não pode ser um bom homem."
Arthur Schopenhauer

Todas estas frases reflectem aquilo que defendemos, um animal é um ser de grande valor que jamais deve ser maltratado e abandonado. Necessita de ser estimado, tratado e acarinhado.

Frente-a-Frente com a realidade...

Depois da agitada festa de natal, hoje dia 16 de Dezembro o grupo Mundos Cruzados teve como tarefa decorar a sala interior da sede da Cruzada, onde alguns idosos passam a tarde.
Além da decoração da sala, tivemos a companhia de uma utente, chamada D. Elvira. Esta senhora sempre bem-disposta e brincalhona ajudou-nos a decorar a sala e fez com  que a tarde não fosse tão calma e monótona como poderia ter sido.
Quando acabamos a decoração de Natal, um dos membros do nosso grupo acompanhou uma funcionária a casa de um beneficiário para recolher alguns objectos doados. Enquanto isso o resto do grupo conversava e fazia companhia a duas senhoras, à D.Elvira e à D.Maria que acabou por se juntar a nós mais tarde.
Conseguimos assim compreender um pouco da realidade destes idosos que muitas das vezes a única companhia que têm são eles mesmos.
Assim podemos dizer que pela primeira vez o grupo Mundos Cruzados entrou no verdadeiro "campo" que pretende incidir, este principalmente ocupado por idosos.


segunda-feira, 13 de dezembro de 2010

Há festa na Cruzada...

No dia 11 de Dezembro de 2010, no sábado passado, o nosso grupo teve como missão ajudar em todas as tarefas antes e durante a festa de Natal na Cruzada.
Começamos por ajudar a montar as mesas de natal, quase como dando uma nova vida e um novo rosto ao local da festa. Em seguida, quando começaram a chegar as pessoas ajudamos aqueles que mais precisavam a sentarem-se nos locais mais cómodos, começando depois a servir os almoços e as bebidas.
A ementa era bastante apetecível e aliciante: arroz de pato, com vinho branco ou tinto, água e sumo à escolha. A tarefa de servir às mesas foi bastante complicada pois não éramos muitos e o desafio de conseguir corresponder a todos os pedidos tornou-se mais difícil do que tínhamos imaginado.
Logo depois do almoço veio a altura de servir as sobremesas. Aletria, formigos ou salada de fruta eram as sobremesas à escolha ficando esta ao critério de cada um.
Mal acabamos de servir tudo tinha chegado finalmente a nossa hora de almoçar, algo que já há muito tempo ansiávamos.
A hora do nosso almoço foi seguida pelo começo do espectáculo, onde cada um dos membros do grupo teve uma função nos bastidores do palco. Mesmo atrás do palco não conseguimos conter as gargalhadas pois a boa disposição do público e dos actores era contangiante.
A festa acabou com um lanche que serviu quase como uma cereja no topo do bolo, acabando assim da melhor maneira possível.
Apesar do cansaço que já não deixava ninguém indiferente houve algo que deixou o nosso grupo completamente realizado:" O vosso trabalho foi incansável e foram sem dúvida uma ajuda preciosa". Mais uma meta cumprida para os Mundos Cruzados.

quinta-feira, 9 de dezembro de 2010

Preparativos...

Como todos sabemos, antes de uma festa é preciso preparar tanta coisa para que nada falhe no dia que tão ansiosamente aguardamos. Hoje na Cruzada, tivemos como tarefa decorar a sala e o palco onde se vai desenrolar o Convívio de Natal no próximo sábado, dia 11 de Dezembro.
O lugar não transmitia o calor, a magia, a festividade, a bonança e tudo aquilo que esta época tem de tão especial. Não foi tarefa fácil mas com um pouco de imaginação, conseguimos transformar aquele lugar que agora parece que foi revestido por um manto de cor e alegria, quase como se convidasse a entrar e a desfrutar dele.
Muitas vezes não damos conta do potencial que esta época tem. É uma época onde os corações abrem as suas portas e se entregam ao trabalho social quebrando o gelo. Pena que muitas vezes seja apenas nesta altura, mas como nada se pode mudar em pouco tempo, temos de aproveitar a disposição que nos é dada pelas pessoas e fazer com que aqueles que mais necessitam sintam que não estão sozinhos nem abandonados, sintam que estamos por perto, sempre prontos a ajudar, sempre disponíveis a trazer um pouco da fatia de um bolo tão especial, uma fatia de felicidade.


quarta-feira, 8 de dezembro de 2010

Estimar os animais de estimação...

 «Um animal precisa de ser alimentado, higienizado, tratado, aquecido e estimado. Porque não é uma pessoa, não consegue fazer isso sozinho. A tarefa não é fácil para o “dono”» Esta é a realidade, o nosso animal de estimação não é autónomo, necessita da nossa ajuda para sobreviver. E a tarefa não é fácil pelo que é importante que quem queira adquirir um cão/gato tenha consciência de que aquela pequena bola de pelo mais cedo ou mais tarde vai crescer e vai levar a um aumento das nossas despesas. É essencial que nós tenhamos consciência de tudo isto, porque aquele ser indefeso necessita de nós, vai ficar dependente da nossa atenção e carinho.
Aqueles que não têm consciência disto abandonam os seus animais como se fossem lixo, algo que quando era pequeno era “fofinho”, agora faz asneiras, é grande, a crise económica afecta todos e nas férias não o podemos levar, logo é melhor deixá-lo numa rua qualquer. Rua essa bem longe da nossa casa, porque o “raio do bicho” ainda encontra o caminho de volta.                                                                                  
Esta situação deixa-nos chocados, magoados e envergonhados por pertencermos à mesma espécie dessas pessoas.
Por isso, deixamos aqui o nosso apelo, se vão comprar/adoptar um animal, pensem muito bem antes de o fazerem, pensem que se trata de um compromisso e que quando se fartarem dele não podem pura e simplesmente abandonar o vosso animal.



Sérgio H. Coimbra in Metro
(para lerem a notícia cliquem na imagem)

Star


                                                                                        in Metro

(para lerem a notícia cliquem na imagem)

Esta situação deixou-nos chocados, como é alguém é capaz de abandonar o seu animal de estimação simplesmente porque ele não desempenha bem a sua função, é ridículo e desumano. José Amaral tem toda a razão nos seus argumentos e o caçador devia de ser punido.

quinta-feira, 2 de dezembro de 2010

Cheira a Natal...


Hoje a tarefa na Cruzada Bem Fazer da Paz foi um pouco diferente daquilo que estamos acostumados a fazer. É bem verdade que nos proposemos a ajudar em tudo que estivesse ao nosso alcance, mas hoje o desafio era bem mais aliciante do que possamos imaginar.
Tinhamos que decorar a montra de natal,combinando a decoração da época com alguns objectos para venda. Tal desafio era tão importante por duas coisas: uma delas é que quanto mais apelativa for a montra, mais probabilidade há de se venderem os objectos expostos nesta e a outra é que a montra devia não só expor objectos para venda mas sim espelhar a alquimia e a magia desta época em que toda a gente embarca no barco da solidariedade e da inter-ajuda.
Tal tarefa, como podem imaginar não foi deveras fácil, mas com a ajuda de todos os elementos do grupo e de alguns colaboradores da Cruzada foi possível criar uma montra a transbordar de magia e de alegria. Aproveitamos então esta deixa para informar que se quiserem adquirir objectos a preços simbólicos de modo a ajudar esta instuição poderão fazê-lo entrando em contacto connosco ou com a instituição através deste endereço: http://cruzadabemfazerdapaz.blogspot.com/!

segunda-feira, 29 de novembro de 2010

Primeiro dia de Voluntariado...

Hoje foi o primeiro dia de voluntariado do grupo. Chegamos às instalações da Cruzada e fomos logo separados em dois grupos. Dois membros iriam com uma funcionária para uma casa, fazendo apoio ao domicílio e outros dois membros para casa de outro beneficiário com outra funcionária.
As tarefas nas habitações cingiram-se principalmente à limpeza destas, onde além de cada um ter o seu papel, como aspirar, fazer a cama, limpar o pó, tinha como objectivo conversar com o beneficiário, ambos muito simpáticos, e conseguir informações relevantes para o nosso projecto. Apesar da ajuda das funcionárias nas suas casas, sempre que estas lá vão trazem como que uma nova luz, recheada de alegria e boa disposição criando um sorriso na cara destes idosos.
Mas existe algo que estes não conseguem camuflar. O seu olhar triste e cansado, a dificuldade de conversar e entrar em contacto, devido a muitas vezes estarem excluídos da própria família. Criam uma barreira invisível, uma parede criada de muitas desilusões e tristezas mas que com o passar do tempo vai-se quebrando e tornando-se cada vez menor.
A conclusão que podemos tirar deste dia é que pela primeira vez entramos em contacto com uma realidade que para nós, apesar de a pensarmos conhecer bem, não a conhecíamos de todo. A experiência é a única via para conseguir compreender tais realidades e isso é que nos torna mais fortes e capazes de conseguir ultrapassar os desafios da vida.